EnglishFrenchPortugueseSpanish
EnglishFrenchPortugueseSpanish

Acompanhe nosso blog

Falecimento de Brasileiros na França

Share on facebook
Share on whatsapp

Falecimento de brasileiros na França

Mesmo não sendo um assunto fácil de ser abordado, pois envolve questões pessoais e emocionais, todos nós estamos sujeitos a enfrentar um acontecimento como este em algum momento da vida.

Em meio à dor e a comoção ao perder um ente querido, acabamos ficando mais vulneráveis  e simplesmente perdidos e frustrados com a dificuldade de entender os procedimentos a serem seguidos nesta situação. Por isso, é importante termos o conhecimento das providências legais à serem tomadas, quando ocorrer um falecimento na França.

Falecimento em casa

Quando o falecimento ocorrer no domicílio, deve-se imediatamente entrar em contato com o médico generalista do falecido ou com o SAMU pelo número 15. Neste caso o médico vira ao domicilio para declarar o óbito e a causa da morte, e preencher o atestado médico.

O médico irá  entregar o atestado médico com a declaração do falecimento a família. Uma vez munida deste atestado a família deverá, juntamente com a carteira de identidade e os documentos do falecido se dirigir à prefeitura da cidade onde ocorreu o falecimento para registrar a certidão de óbito diretamente com o oficial de estado civil. Nesse momento a certidão de óbito será assinada pelo declarante e pelo oficial do estado civil.

Falecimento no hospital

Quando o falecimento ocorrer no hospital, o procedimento é o mesmo que no Brasil, a declaração de morte e o atestado medical serão emitidos pelo  hospital, após a constatação da morte pelo médico de plantão ou pelo médico que acompanhava o paciente.

Neste caso, a família está dispensada de se apresentar munida dos documentos para o registro da certidão de óbito na prefeitura.

Falecimento em via pública

Quando uma pessoa falece numa via pública, um procedimento verbal da causa mortis é efetuado pelo oficial de polícia judiciário assistido por um médico. O corpo é enviado ao instituto  médico legal (IML) mais próximo do local onde ocorreu o falecimento.

Os principais procedimentos a serem efetuados, após o falecimento:

Nas primeiras 24 horas:

declaração de óbito preenchida e assinada por um médico;
declarar o falecimento ao oficial do estado civil e registrar a certidão de óbito na prefeitura da cidade onde ocorreu o falecimento.
Após uma semana:

prevenir e notificar o falecimento ao empregador, seguridade social, ao banco do falecido e a todas instituições com as  quais o falecido possuir um vínculo contratual;
procurar um tabelião (notário), nos casos em que o falecido possuir bens, para poder dar início ao inventário.
Após o primeiro mês:

procurar saber se o falecido beneficiava de uma aposentadoria privada ou pública, para poder fazer o pedido e assim permitir que a viúva ou viúvo possam receber a pensão de morte e/ou seguro de vida;
Prevenir e notificar os credores e devedores do falecido, sobre o óbito.
Nos 6 primeiros meses:

preencher as formalidades fiscais relacionadas ao falecimento;
enviar a declaração do inventário à receita federal da França para o cálculo do imposto de renda e das taxas.
Como normalmente os familiares do cidadão brasileiro falecido na França, optam por um sepultamento no Brasil, estes devem estar preparados para enfrentar um procedimento longo, complexo e dispendioso que envolve o traslado do corpo.

Quais são os procedimentos, para repatriar um corpo da França ao Brasil?

Primeiramente, deve-se imediatamente entrar em contato e informar o Consulado Geral do Brasil em Paris, para que o Consulado possa assistir a família do falecido durante todas as etapas legais que permitirão o traslado do corpo ao Brasil.

Importante lembrar, que o Consulado simplesmente auxilia a família nos procedimentos legais a serem efetuados, não existe em nenhum caso um auxílio financeiro para o repatriamento do corpo. O consulado também não intervém nos trâmites legais referentes aos documentos exigidos pelas Autoridades Francesas, mas auxilia no processo de expedição do documento endereçado à Alfândega do Brasil para solicitar a autorização de entrada da urna funerária.

O traslado do corpo, é um procedimento regulamentado na França, pelo  Código Geral das Autarquias locais. Mas, nestes casos é a Convenção de Berlim de 1937, relativa ao transporte internacional de corpos que normalmente é utilizada. Lembrando que as convenções só podem ser evocadas pelos países signatários do acordo.

Os textos legais exigem  duas obrigações essenciais, para o traslado:

O corpo deve ser colocado num recipiente hermético feito de metal soldado a frio e as paredes do seu interior  de madeira;
Certificado de embalsamento. Esta medida tem como objetivo a conservação do corpo.
O certificado de embalsamento e conservação, deve ser  enviado junto com a urna funerária.

Portanto é obrigatório o procedimento do embalsamento com o laudo assinado pelo médico habilitado e a urna funerária deverá ser impermeável e estar lacrada para o envio do corpo.

Para o traslado do corpo  ser efetuado é obrigatório a autorização das Autoridades Francesas.
Como menciona o  artigo R2213-22 de CGCL “quando o corpo é transportado para fora da área metropolitana ou departamento ultramarino, a permissão é dada pelo prefeito do Departamento”.
Os familiares que fizerem a solicitação da autorização devem fornecer vários documentos, como:

o atestado de óbito emitido pela cidade;
uma autorização de fechamento do caixão;
certidão de óbito;
certificado de não contágio assinado por um médico;
certificado de nenhuma epidemia emitido pela Agência Regional de Saúde.
Na França algumas cidades como Lyon dispõem de crematório caso seja o desejo da familia optar pela cremação. No que diz respeito ao repatriamento de uma urna contendo as cinzas do falecido, também sera necessário obter uma autorização oficial.

Conforme o Artigo R2213-24 de CGCL que afirma: “A autorização de transporte de cinzas fora da área metropolitana ou departamento ultramarino é emitida pelo prefeito do Departamento do local da cremação do falecido ou do local de residência do requerente “.

Em todos os casos, as autoridades francesas deverão ser informadas, pois a documentação deverá estar assinada pelo orgão competente. Nestas situações é normalmente a sub prefeitura do bairro  “Mairie du arrondissement”, que emitira  a autorização para o translado do corpo, que deverá ser acompanhada da identidade do falecido, certidão de nascimento e óbito,  autorização de sepultamento  e o pedido da familia para o traslado do corpo.
O traslado de um corpo para um país estrangeiro é  complexo, por isso a intervenção de um empresa funerária especializada é indispensavél. É a empresa que ira embalsamar o corpo, fornecer o caixão dentro das normas, conservá-lo até o momento de envio e o transportá-lo até o aeroporto. A empresa também auxilia a família nos procedimentos administrativos. Por tudo isso, o custo da  intervenção costuma ser alto.

No final como o custo para um traslado acaba ficando relativamente elevado,  por razões financeiras a familia pode acabar optando pelo sepultamento do brasileiro na França. Neste casos é importante saber que  na França o funeral deve normalmente ocorrer no máximo 24 horas após o óbito.

Triste mesmo pode ser  o final de algum brasileiro irregular. As  autoridades francesas por falta informações para identificação do corpo não podera informar o Consulado brasileiro do obito. Sem identificação o corpo poderá ser sepultado como indigente, sem mesmo, que  a familia tenha  conhecimento do falecimento.

Fonte consultada: Consulado Geral do Brasil em Paris.

Parler
1
Parlons?
Bonjour comment allez-vous?
Allons-nous discuter sur WhatsApp ?